MALZBIER

Eu simplesmente A-D-O-R-O uma Malzbier beeeem geladinha! Nesse calor infernal que anda fazendo então... tudibom!!! E é Malzbier mesmo, não é Bock nem Caracú não. Gosto mesmo é da docinha!

Pois então... E qual não foi minha surpresa outro dia, quando me dirigi à sessão de cervejas, e vi todo um admirável mundo novo de marcas diferentes da 'doce pretinha', quando antes só haviam a da Brahma e da Antártica.

Eu tinha que provar as novidades... Ahá! Mas não simplesmente provar! Como sou chic, resolvi fazer uma degustação de todas elas! Sapeco (com carinho) uma de cada no carrinho (inclusive das já tradicionais) e simbora pra casa.

Deixei as quatro na geladeira até pintar a temperatura e o momento ideal, claro.

Antes de mais nada analisei o rótulo de todas. Todas tem a mesma quantidade de líquido na garrafa: 355ml. As informações do rótulo são quase que impossíveis de se ler! A letra é menor que de bula de remédio - bem ao estilo contrato com o diabo, sabe? - e ainda tem a superfície dourada ou amarela onde ela é impressa que ajuda menos ainda! Sendo assim, identificar os ingredientes ou saber seu teor alcoólico se torna uma tarefa quase que hercúlea!!! E só pra constar: as mensagem "PROIBIDO O CONSUMO POR MENORES" e "CONTÉM GLÚTEM" vêm escritas na mesma letrinha minúscula, tá?

Comecei por aquela que é minha predileta, para lembrar o que me faz gostar mais dela: a da BRAHMA. Gosto da sua cremosidade, do seu sabor doce no ponto (nem de mais, nem de menos) e do gosto residual do malte, quase que inexistente, aparecendo apenas lááá no finalzinho. Sua cor não é tão compacta, deixando ver um leve transparente a partir da metade do copo. E pela primeira vez observei que ela faz pouco (quase nenhum) colarinho. Seu teor alcoólico é de 4%.

Depois dela, veio outra conhecida: a da ANTÁRTICA. Esta já tem um colarinho mais firme de uma cor bem caramelo. Seu adocicado é um pouco demais pro meu gosto. E o sabor do malte no final é mais presente que o da Brahma. Sua consistência é mais cremosa, deixando a boca levemente viscosa no final do gole. A cor é bem escura e compacta. Teor alcoólico também de 4%.


A terceira foi a da SCHIN. Devo confessar que não sou muito fã da marca. Qto à Malzbier, vejamos... Ela tem um colarinho razoável, com uma consistência bem menos cremosa, quase que aguada para uma cerva preta. É bem pouco doce e tem o sabor residual do malte bastante marcante no final, o que me fez lembrar porque não gosto da marca. A cor é escura mas meio tranparente, lembrando a cor da Coca-Cola. Teor alcoólico? Não sei nem se o rótulo informa, pois, de todos, foi o mais difícil de se ler. Na verdade não consegui ler nadica de nada das letrinhas miúdas!

Por último foi a CRISTAL. Ela apresentou o maior e mais consistente colarinho (pra quem faz questão...). Seu adocicado está na medida (nem de mais, nem de menos). O sabor residual do malte é bem sutil, do jeito que eu gosto. Sua consistência é cremosa também na medida. A cor é bem escura e também só apresenta uma certa transparência do meio pro final do copo. Ela apresenta o maior teor alcoólico: 4,5%.


Conclusão?? A CRISTAL passa a ser minha predileta, e - alí, separada do primeiro lugar por apenas um nariz. Rsrs... - mantenho a BRAHMA como opção 2.

Entre uma garrafa e outra minhas papilas gustativas foram 'neutralizadas' com o sabor salgadinho de crocantes chips de parmesão, direeeeto de BH. Que aliás estou tentando clonar. Caso eu obtenha sucesso na empreitada eu aviso. Aqui em BSB, eu já os achei no Empório Maison Dargent, na 409 sul. Só que o preço é bem mais salgadinho do que os que trago de BH: R$95,00 o kilo!

Ah! Detalhe... todas já apresentam opção de 'figurino'. Elas também vêm em latinha.

.

3 Pitacos:

nasilva disse...

Vemdizêquitunumficôbebacumtantaselveja?

Sora Soralina disse...

Fiquei não!
Afinal foram só... hum... 8.. hic!
Quer dizer... 4, hic!
4 Garrafinhas!
Hic!

Nasilva disse...

Igual no dia do Monumental
que vc jura que fui eu
quem derrubou a tulipa
e que vc NÃO abriu inscrição
para P.A, né???!!! rsrsrs